A cura da depressão

Resolvi escrever este texto por sugestão de uma leitora, que me fez o seguinte questionamento: a espiritualidade pode auxiliar na saúde mental e curar, por exemplo, a depressão? 

Essa é uma boa questão por dois fatores: o primeiro é que a espiritualidade pode auxiliar no tratamento da enfermidade, junto à vontade do indivíduo ao qual se manifesta. O segundo é que por trazer a possibilidade de uma “cura”, pessoas mal intencionadas podem se valer disso para enganar e extorquir seus portadores. Mas antes de começar a falar sobre o tema de fato, devo alguns esclarecimentos a você, querido leitor.

O primeiro é que estou ciente de que existem alguns locais que não me cabem a fala, como por exemplo, o lugar de quem tem depressão. Outro lugar do qual não posso falar é o ocupado por profissionais da área, que tão habilmente lidam com essas questões, como psicólogos e psiquiatras. Por isso, peço desde já desculpas se cometer algum equívoco ao me expressar e agradeço gentilmente se quiserem deixar nos comentários as devidas correções ao meu texto — se houver.

Reconhecer esses dois lugares me coloca no meu lugar de fala, o de alguém que crê que a espiritualidade pode operar grandes transformações, tão impressionantes que não é incomum chamá-las de milagre. Mesmo assim, por mais incríveis que pareçam, não mudam a primeira resposta, ao meu ver, para essa questão: a espiritualidade não cura a depressão. 

A depressão é uma doença que não tem uma causa orgânica conhecida, como a diabetes, a hipertensão, ou mesmo uma tão simples gripe. Além disso, apesar dos seus portadores apresentarem características semelhantes (sentimentos de tristeza e/ou perda de interesse em atividades que em momentos anteriores traziam prazer, falta de libido, falta de amor próprio, falta do desejo de viver, etc.), não existe um ponto de partida em comum para cada indivíduo. Ou seja, cada pessoa tem seus gatilhos, ou melhor, um conjunto de condições e questões que podem desencadear uma crise depressiva.

Falando nisso, existe uma diferença entre tristeza e a depressão de fato. Segundo o Psicanalista André Luiz (@andreluiz.psi):

“Esses dois conceitos, mesmo que aparentemente muito parecidos, têm diferenças essenciais: primeiro que, quando se está triste, se tem duas coisas: um sentimento e um foco. A tristeza tem um objeto definido. Se está triste por uma perda, uma relação ou uma situação danosa. Na depressão não se sente nada, tristeza ou alegria. E o objeto da depressão é a identificação com o vazio. A pessoa, por não conseguir se ligar a nada emocionalmente, se sente vazia tanto de sentimentos quanto dela mesma.

Ainda sobre a depressão, podemos dividir em dois momentos: crises depressivas e depressão estrutural. Uma crise depressiva pode acontecer com qualquer pessoa exposta a um trauma muito grande. A depressão estrutural é uma organização psíquica, a pessoa organiza sua vida ao redor desse vazio que sente. A forma como lida com o mundo, com as outras pessoas e mesmo consigo é pautada por esse vazio.”

É justamente e tão somente por essa breve explanação da doença que não podemos afirmar que para todo aquele que sofre de depressão, a solução ou a cura é a espiritualidade ou a crença em uma divindade. Na realidade, a depressão nada tem a ver com crer ou não em um propósito específico ou a ausência dele, bem como a falta de algo material (carro, casa, relacionamento, estabilidade familiar, dinheiro, trabalho). 

A visão otimista da cura

É importante, entretanto, lembrar que estamos falando de uma população que é formada por indivíduos. Então, se para um indivíduo específico que espontaneamente procurou um auxílio espiritual — como o oferecido em um terreiro — e nele, junto às práticas, ao ritual, à comunidade, à teologia, organizou-se de tal forma que a doença permaneça controlada, e este considerar o controle como uma cura, nada tenho a questionar a respeito desta opinião. 

Manter a doença equilibrada, na perspectiva dos mais radicais, pode não significar que o indivíduo se curou dela, mas se aquele que sofre entender que está curado a partir do autocontrole, ciente de que é preciso estar vigilante para que ela não ressurja ainda mais forte, eu considero para esse indivíduo o que ele alega sobre si. 

A espiritualidade para casos de saúde mental ajuda outros campos que são da sua competência, como, por exemplo: restabelecer o equilíbrio energético, propor mudanças de hábitos, de pensamentos, auxiliar na edificação de valores, repensar formas de pensamento aprisionadoras etc. Isso, claro, em paralelo ao tratamento médico competente à área da saúde. Nenhum indivíduo deve abandonar qualquer acompanhamento orientado por um profissional de saúde para seguir uma possível “orientação espiritual”.

É sabido que a ciência e a espiritualidade devem caminhar juntas, mas independentes. A espiritualidade, nestes casos, surge como mais uma possibilidade de reorganização e reestruturação para o indivíduo. Mais uma ferramenta que pode o auxiliar. Nenhum culto, ritual, trabalho, obrigação, cura depressão.

Se você que me lê neste momento sofre com essa doença, peço que não se desanime com minhas palavras. Lidar com sobriedade sobre essa questão e as inúmeras outras questões da vida, vem se mostrando ao longo do tempo como uma escolha assertiva. Espero que você se sinta acolhido dentro da espiritualidade que não habita os templos, mas sim dentro de você. E me disponho a ajudar. Estamos juntos e ninguém solta a mão de ninguém.

Publicado por Nivartan

Considero-me um observador cuidadoso, otimista racional, de humor volátil, mas que vem trabalhando o amor em todas as suas possibilidades, buscando sempre ser honrado, justo e valente.

2 comentários em “A cura da depressão

  1. Sensacional o texto! Você colocou tudo no seu devido lugar! Já existem vários estudos onde mostram que a espiritualidade PODE SER um grande aliado para nosso autoconhecimento, desenvolvimento pessoal…. Ou seja, APENAS a espiritualidade não é a “cura”, mas todo o conjunto de possibilidades para uma cura, podemos ter a espiritualidade como uma delas 🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: